Relacionamentos Dolorosos, Mas Libertadores

Relacionamentos Dolorosos, Mas Libertadores

Para Ler

Há algumas semanas fiz algo que a maioria das pessoas acharia incomum. Fui a um bazar de nossa comunidade e comprei uma pequena mala. Eu a trouxe para casa e aí veio a parte incomum: cortei a alça, joguei a maleta fora e coloquei a alça cortada no bolso da minha calça.Você pode estar se perguntando: Quem faria uma coisa dessas? O que é compreensível. Mas para mim aquilo foi importante – um lembrete de que quando eu deixar esta terra não levarei NADA comigo. Tudo aquilo que é tangível vai ficar para trás. Entretanto, tudo quanto eu tiver que possua valor eterno já terá sido enviado antecipadamente: minhas orações e intercessão por outras pessoas, minhas lágrimas por sua salvação (destino eterno) e crescimento espiritual, e qualquer influência espiritual que eu tenha tido o privilégio de ter exercido sobre suas vidas.

Jesus falou sobre isso ao dizer: “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.” (Mateus 6:19-21).

Como você pode ver pelas coisas que relacionei acima – orar pelos outros, preocupar-se com o seu bem-estar e o desejo de fazer uma diferença eterna em suas vidas – o meu foco nos dias de hoje é simples: relacionamentos. Infelizmente, grande parte dos relacionamentos que a maioria de nós tem são superficiais. O investimento pessoal é pouco ou nenhum. Nós recebemos deles o que precisamos e seguimos em frente. Você sabe o que mais? Isso faz rir o nosso inimigo espiritual. Ele ama relacionamentos, contanto que sejam superficiais e sem significado. Sua estratégia é simples: enganar, dividir e destruir.

Eu me arrependo da forma como agi, sendo um empresário, no passado. Eu usei relacionamentos para conseguir negócios. Eu fingia ser amável – e fingia me importar – para obter o que eu queria. Eu usei pessoas para ter as coisas que amava. Felizmente, algumas décadas atrás Deus tocou minha vida e me ensinou que, ao contrário, eu deveria usar as coisas para amar as pessoas.

Esse é o motivo pelo qual meus anos de experiência trabalhando no rancho de criação de gado da família têm sido tão valiosos. Quando você trabalha com um rebanho descobre duas verdades: Rápido é devagar. Devagar é rápido. O mesmo pode ser dito sobre relacionamentos. Eles precisam de tempo e não se pode apressá-los.

Recentemente eu estava fazendo vários telefonemas: um para comprar uma carga de material de isolamento para um edifício do rancho; outro para comprar um cercado de mais ou menos 15 metros de diâmetro para trabalhar com cavalos; e ainda outro para comprar alguns abrigos para os cavalos. Em cada um deles, enquanto falava sobre a compra pretendida, pude ouvir “algo” na voz da pessoa que estava do outro lado: dor. Ou enfado. Então, eu “fui até lá” e perguntei a cada uma delas o que estava acontecendo em suas vidas.

Ao fazer isso, o Senhor abriu as portas. Todas as vezes as pessoas compartilharam suas histórias, e também suas lágrimas. Isso me deu a oportunidade de comunicar a verdade e a esperança de Jesus Cristo. Em todas as três ocasiões eu orei com elas e depois enviei pelo correio algum material de discipulado. Mais tarde acompanhei como estavam por meio de outro telefonema.

No passado, eu não teria gasto tempo ou nem mesmo notado – ou me importado. Mas Deus me ensinou outro importante princípio: dor compartilhada é dor dividida; alegria compartilhada é alegria multiplicada. Hoje, ao iniciar cada dia eu oro: “Senhor, por favor, me designe alguns encontros divinos – e mantenha longe os roubadores de tempo.” Saber que o Senhor provê minhas necessidades pessoais e empresariais, me deixa livre para desenvolver relacionamentos libertadores. Que privilégio poder compartilhar o sofrimento de outras pessoas, e também suas alegrias.

[dt_code]Questões Para Reflexão ou Discussão

1. Que você achou da compra e descarte da maleta, e da retenção apenas da sua alça? Gostou do simbolismo?

2. Você tornou uma prática o ajuntar tesouros nos céus ou ainda está ocupado tentando acumular tesouros na terra? Explique o que isso significa para você.

3. Como você descreve a maioria de seus relacionamentos? Quantos são profundos e significativos? Quantos são superficiais e sem grande valor?

4. Você compreende o valor de estabelecer e manter relacionamentos libertadores? Que acha do princípio: “Dor compartilhada é dor dividida. Alegria compartilhada é alegria multiplicada” se relaciona com isso?

Desejando considerar outras passagens da Bíblia relacionadas ao tema, sugerimos: Provérbios 12:25; 15:13,30; 17:17; 18:24; 27:9,17; Mateus 6:33-34.

[/dt_code]
Artigo de autoria de Ken Korkow, que mora em Omaha, Nebraska, U.S.A., onde ele serve como Diretor do CBMC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *